segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Hora Marcada



Se vai singrar um barco em água escura
E quem sabe até... O próprio seio!
De um banzeiro que acerta em cheio
Volve em meio ao que é tontura

Quem sou para pedir conforto?
Se vais estar lá, talvez nem eu saiba
Talvez nem caiba
Quando meu barco deixar o porto

O que fazes por pensar
Em virtude da temperança
Não há motivos para chorar

Deixa as lágrimas guardadas
Para aquelas lembranças
que só chegam em horas marcadas

8 comentários:

Arthemisa Gadelha disse...

Linda foto, lindo soneto!

Alessandra disse...

Lindo, como tudo em você meu amigo!



Beijo!

Virgínia Allan disse...

Depois de tanto tempo, até que valeu a pena esperar. Grande Rapha! <3

Mariana disse...

"Deixe as lágrimas guardadas para aquelas lembranças que só chegam com hora marcada". Sem comentários...

Anônimo disse...

Lindo soneto Rapha! A foto desperta saudade, assim como a que eu estava sentindo dos teus poemas!

Beijos
Dani

ensaiossobreloucura disse...

gostei do blog :D até adcionei na minha barra de link's . abrass

Débora Sader disse...

lindo texto!

Débora Sader disse...

lindo texto!