sexta-feira, 18 de abril de 2008

Pequena análise do tempo















Um certo dia, quis que coubesse
nas primeiras entrelinhas
uma palavra que não fosse a minha

Nesse passado, implorei que viesses
após o inverno com que ainda sonhas
ou numa daquelas primaveras risonhas

Hoje, apenas gostaria que soubesses
que se foram as águas de março
e eu nem sei o que faço

Mas amanhã, espero que confesses:
Estes versos já foram lidos
mas nada me impede de sussurrá-los em teus ouvidos

8 comentários:

Flávia Lopes disse...

Ainda naum sab?rsrsr
sussurre entaum;)
massa a imagem!
bjinhos

Babi disse...

perturbador...

Denise disse...

O que te inspirou esse?
Acontecimentos de março? Ou estou vendo além do que devia?
Ah...o poema não é mais seu, mesmo! =>
Bj enorme.

ت εïз ॐ Ananda Chamma ॐ εïз ت disse...

uau...
bonito poema...
ja te falei..escreve logo um livro!!!
bjoss e bom fim de semana

Josy Gomes disse...

Isso eh q eu chamo de confissão...
Pena q certas pessoas não reconheçam, que aih foram expressas as palavras mais sinceras.

Ficou lindo esse!

BjOo, Rapha.

Jorge Leite disse...

Oiew.. também partilho da opinião de que ficou muito beom.. rsss

Fatum disse...

Se foram as águas de março, o inverno tateando a pele, outono saindo...promessas de primavera...e eu também nem sei o que faço. =)

Creio que deve ser esta a essência da vida.

Belos versos!

Beijooooo! ♥

Bruno disse...

Sou fã das suas fotos. Essa mais uma vez não foi diferente... O poema tá muito legal também. Parabéns!!!